O Eu-Outro Núcleo de Pesquisa Cênica constitui-se como uma ação de extensão do CONAC, em desenvolvimento no Estado de São Paulo. É um centro de pesquisa sócio-artístico-cultural, que centra suas pesquisas na linguagem cênica após o que se reconhece como iluminura. Trata-se de um desdobramento das pesquisas que são realizadas no CONAC (Palmas-TO) e compõe um repertório artístico (criação de espetáculos em Composição Poética Cênica) de artistas com diferentes formações acadêmicas e técnicas residentes no Estado de São Paulo, mas que desenvolvem pesquisas cênicas em tempo contínuo sob a supervisão do coordenador do CONAC, Juliano Casimiro.

Tanto na prática sócio-pedagógica, quanto na prática artística, nosso trabalho pretende o desenvolvimento humano. É na escuta das subjetividades e na compreensão e incentivo à relação sujeito-sujeito-contexto que embasamos nossas propostas artístico-pedagógicas. Cada sujeito é (co)responsável pela construção de um espaço intersubjetivo sob o qual atua; no suporte à construção de espaços intersubjetivos férteis ao desenvolvimento humano é que vemos possibilidades reais de atuação a partir do campo artístico. Ou seja, não há atores e não pretendemos formá-los, há seres humanos agindo sobre o mundo e sendo agidos por ele; seres humanos que em algum momento podem ESTAR como profissionais da cena. Nossas conduções de vivências artístico-pedagógicas, ao propor caminhos de experimentação prática, (auto)reflexiva e compartilhada (coletiva), por meio de experiências, registros e análises desses, centra-se na possibilidade de se pensar o homem como um ser que precisa se posicionar intencionalmente frente ao seu campo de ação, desde a perspectiva da prática, até a dimensão reflexiva desse campo acional.

AMORte

Sinopse

 

AMORte é uma composição poética cênica de cunho intimista que emerge de dois contextos latinos específicos: os contos de amor, loucura e morte, de Horácio Quiroga; as imagens sonoras e visuais que sensibilizaram o diretor do espetáculo em exposições visuais latino-americanas.  As adaptações dos contos do autor latino para o teatro foram realizadas a partir das já citadas imagens experienciadas pelo diretor. Os contos e as exposições de referência são traduções artísticas diversas de um jeito latino de fazer e apreciar arte e vida. Com foco nos atores, iluminação e sonoplastia são operadas de dentro da própria cena e sua operação compõe parte da ação cênica. AMORte  configura-se como uma experiência estética que frequentemente leva o público do riso ao espanto. Intimista, o espetáculo propiciona ao espectador grande proximidade com o universo de amor, loucura e morte das personagens.

Ficha Técnica

 

Encenação

Juliano Casimiro

 

Produção

O grupo

Direção de Sonoplastia

Heitor Oliveira

 

Elenco

Elton Pinheiro

Janaína Sizínio

Jeziel Santana

Welintom Machado

AMORte13
AMORte11
AMORte10
AMORte12
AMORte9
AMORte8
AMORte7
AMORte4
AMORte3
AMORte6
AMORte2
AMORte5
AMORte1
Fotos de Juliano Casimiro

O Touro Branco

Sinopse

 

Voltaire nos oferece material para a organização do nosso próprio material. O texto homônimo de Voltaire é o condutor do nosso “texto em pesquisa”. Adotamos os rolamentos, como desdobramento da vertigem, do circular, para investir o corpo que vai à cena; e mais do que isso: construir em cena o corpo que pertence a ela. A encenação vai se construindo no que cada corpo tem para dizer da tensão, da vertigem, da pressão..., mas claro, com um direcionamento prévio. O que se pretende é que os corpos extravasem as propostas e nas falências dessas construam o que realmente nos importa aqui - materialidades para a significação estética! Ou seja, 4 corpos, um espaço, um texto, sonoridades, luzes (fogo e eletricidade), objetos e tecidos, na dificuldade que oferecem uns aos outros  reorganizam-se a si mesmos, e da movimentação que fazem em torno de si, considerando o interpelamento pelo outro, geram o que temos chamado aqui e ali de o “ENTRE” da criação estética.

O Touro Branco explicita o percurso de 5 artistas que decidem reconhecer o que há de estético em seu
treinamento técnico-poético
ou
Entre um homem e um touro, o amor reorganiza as relações que a Princesa Amaside estabelece com
Mambrés, seu cuidador, Amásis, seu pai, e, acima de tudo, consigo mesma, ao fazê-la percorrer um
caminho de encontros e descobertas, sofrimentos e mistérios
ou

O TOURO BRANCO
O Touro Branco é um espetáculo que tem como plano de fundo a história de amor entre Amaside e
Nabucodonosor para falar da submissão da mulher na sociedade e sobre valores de família numa
sociedade cheia de “(pré)conceitos”.
ou
[...]
ou
Uma experiência estética a se construir e compartilhar!

Ficha Técnica

 

Encenação

Juliano Casimiro

 

Produção

O grupo

Direção de Sonoplastia

Rafael Sanches

Sonoplasta

Rafael Simão

Preparação Vocal

Lucía Soledad Spívak

Figurinos

Maisa Gariani

 

Elenco

Elton Pinheiro

Jeziel Santana

Lucía Soledad Spívak

Welinton Machado

IMG-20171029-WA0019
IMG-20171029-WA0018
IMG-20171029-WA0016
IMG-20171029-WA0015
IMG-20171029-WA0011
IMG-20171029-WA0010
IMG-20171029-WA0014
IMG-20171029-WA0009
IMG-20171029-WA0013
IMG-20171029-WA0012
Fotos de Francisca Valentina

Favores da Lua  

o prólogo

Sinopse

Um menino-homem, um objeto artístico, uma família. Tudo caminha para ser aquilo que não é. Dos elementos inicialmente dispersos nasce a possibilidade de histórias. Cada elemento será mais de um e todos os elementos serão aquilo que escondem ser. Um menino dorme enquanto um artista cria. Qualquer imagem, como imagem possível, pode estar no sonho, na criação, ou mesmo na realidade. Nem eu e nem esse outros são capazes de saber para onde vamos. Mas certamente vamos para algum lugar. Somos levados por uma irresistível necessidade de andar. É a lua quem lhe abençoa, e, portanto, sofrerá tudo o que eu sofro. Você, bela criança, terá toda a minha beleza e encanto. A sobreposição de imagens e o deslocamento dos sentidos estão na obra, no sonho e na vida de um menino, de todos o que mais me chamou atenção naquele bairro distante em que vivo. Para mim, para a família, para essa doce criança, para cada um existem, diversos “FAVORES DA LUA”. 

Ficha Técnica

 

Encenação

Juliano Casimiro

 

Produção

Clarinha Dianesi​

Direção de Sonoplastia

Rafael Sanches

Preparação Vocal

Lucía Soledad Spívak

Produção e Direção de Teaser

Daniel March

 

Elenco

Ana Antunes, Andreza Tagliaferro, Aninha Arruda, Bernard Nascimento, Camila Cattai, Carolina Câmara, Clarinha Dianesi, Daniel March, Dado Barros, Elton Pinheiro, Felipe Giovanetti, Janaína Sizínio, Jeziel Santana, João Armando Fabbro, Larissa Bassoi, Leila Azevedo, Lucía Soledad Spívak, Karine Andrade, Marina Fazzio, Monique Ruiz, Osvaldo Barros, Pedro Couto, Rafael Simão, Rafaele Breves, Thiago de Castro Leite, Welinton Machado

5260741145_571607b62a_o
5261345862_1e6387cdf2_o
5264227986_4b8e4fff82_o
5264228396_0e6f82e227_o
5264227860_bbcac0a3c5_o
5264228266_b49c3c25df_o
5263618013_d5edabb203_o
5263618187_b876eec8de_o
5264230332_44dd098a6b_o
5264230110_bdb32e3580_o
5263618721_dae1ea6ba7_o
5263618591_88a4950307_o
5263619303_a1e3078a19_o
5263618467_d208b247b5_o
Fotos de Juliano Casimiro
Clique aqui e veja outros teasers do espetáculo

Cebolas explodem abóboras noturnas?

A partir das Notas de um velho safado, de Charles Buckovski, o espetáculo reconstrói o universo transitório entre a realidade e a fantasia, no sentido das palavras do autor. Desvelando a dimensão estética das suas características pessoais mais animalescas, os atores constroem os traços mais marcantes dos seres ficcionais da obra. O cenário vai sendo em ato construído e reconstruído, fazendo a percepção do espectador variar por alturas, densidades e profundidades diversas. A materialidade de cada ator é explorada intencionalmente na direção da infrateatralidade e é essa quem estipula os contornos de cada uma das células do espetáculo.

Ficha Técnica

 

Encenação

Juliano Casimiro

 

Produção

O Grupo

Elenco

Anelisa Ferraz 

Antônio Ramos

Janaína Sizínio

Leila Azevedo

Lucía Soledad Spívak

Pía Bernabe

Rafael Simão

Raphael Eli Costa

FB_IMG_1509299618061
FB_IMG_1509299591761
FB_IMG_1509299586689
FB_IMG_1509299603773
FB_IMG_1509299554008
FB_IMG_1509299529872
FB_IMG_1509299502776
FB_IMG_1509299495757
FB_IMG_1509299470889
FB_IMG_1509299477339
FB_IMG_1509299521447
cebolas3
cebolas
Fotos de Ana Rizincas

Bastardo

Primeira produção do Eu-Outro Núcleo de Pesquisa Cênica, bastardo é uma ocupação cênica do Conservatório Dramático e Musical de Tatuí. São 15 instalações em 15 diferentes espaços do conservatório para criar 15 diferente movimentos cênicos. 12 pessoas (fruidores) era aceitos para acompanhar as trapaças, artimanhas e ações de Edmundo, o filho bastardo de Conde Gloucester, da obra Rei Lear, de Willian Shakespeare. Mais do que um espetáculo, Bastardo marca o início das pesquisas cênicas que desembocaram no que hoje pode ser reconhecido como a base filosófica e estética de todas as produções do CONAC (e, por consequência, do Eu-Outro NPC). Atores e músicos costuravam cada uma das células dos espetáculos por meio da tentativa de subversão dos sentidos do espectador.

Ficha Técnica

 

Encenação

Juliano Casimiro

 

Produção

Clarinha Dianesi

Direção de Sonoplastia

Rafael Sanches

Pesquisa Sonora e Arranjos

Lucía Soledad Spívak

Figurinos

Carlos Alberto Agostinho e Catel

Maquiagem

Dalila Ribeiro

Cenotecnia

Jaime Pinheiro

Elenco

Adriana Cavalcanti, Aninha Arruda, Bernard Nascimento, Clarinha Dianesi, Jeziel Santana, Juba Couto, Larissa Bassoi, Leila Azevedo, Lucía Soledad Spívak, Luciana Porto, Odilon Lamego, Pedro Couto, Pía Bernabe, Rafael Simão, Raphael Eli Costa

bastardo11
bastardo10
bastardo9
bastardo5
bastardo1
bastardo6
bastardo8
bastardo7
bastardo2
Fotos de Juliano Casimiro
| Educação, Juventude e Esportes